Ervas Naturais

Aproximando a Natureza

Oficial da Sala

Posted by Erva e Plantas Naturais em 20 de Abril de 2011

 

NOME CIENTÍFICO:  Asclepias curassavica L.  

 

FAMÍLIA BOTÂNICA: Asclepidaceae.

 

SINONÍMIA

Algodãozinho-do-campo, algodãozinho-do-mato, camará-bravo, capitão-de-sala, capitão-da-sala, cavalheiro-da-sala, cega-olho, cega-olhos, chibança, dona-joana, erva-de-paina, erva-de-rato, erva-de-satã, erva-leiteira, falsa-erva-de-rato, flor-de-sapo, ipecacuanha-brava, ipecacuanha-das-antilhas, ipecacuanha-falsa, leiterinha, mané-mole, margaridinha, margaridinha-leiteira, mata-olho, paina-de-sapo, paina-de-seda, paininha.

 

HABITAT

Espécie autóctone da América Latina, crescendo espontaneamente em pastos, a beira de estradas e áreas ruderais.

 

FITOLOGIA

Planta herbácea perene, lactescente, com cerca de 1,0 a 1,30m de altura. Caule cilíndrico, ereto, articulado e ramoso. Folhas opostas, quase glabras, pálidas na face dorsal, membranáceas, lisas, pecioladas, lanceoladas, aguadas em ambas extremidades, medindo cerca de 10 a 12cm de comprimento. Inflorescência em umbelas bracteadas, longo-pedunculadas, axilares e no ápice da planta. As flores apresentam pétalas vermelhas e petalóides amarelo-alaranjados, reflexos. O fruto é uma cápsula fusiforme, bilocular, glabra, deiscente, medindo 6 a 7cm de comprimento e contendo muitas sementes castanhas, ciliadas.

 

CLIMA

Desenvolve-se bem tanto em regiões tropicais até em temperadas quentes.

 

SOLO

É pouco exigente, adaptando-se mesmo nos argilosos, ácidos e úmidos.

 

AGROLOGIA

  • Espaçamento : 0,6 x 0,4m.
  • Propagação: sementes. As sementes são postas a germinar em bandeja de isopor contendo substrato organo-mineral.
  • Plantio: março a abril.
  • Adubação: a planta é muito rústica, dispensando adubações.
  • Pragas: é atacada pela lagarta Papilio teratii, Diaspis cordiae e pelo pulgão Aphis nerii (93).
  • Colheita: 3 a 4 meses após o plantio.

 

PARTES UTILIZADAS

Folhas, raízes e látex.

 

FITOQUÍMICA

Asclepiadina (93).

 

PROPRIEDADES ETNOTERAPÊUTICAS

O látex é purgativo, emético, tônico cardiovascular em doses mínimas. São atribuídas às raízes propriedades sudoríficas, febrífugas, vermífugas, antiasmáticas, anti-hemorroidárias, antidiarréicas, antileucorréicas e antiblenorrágicas. A planta inteira, sêca e pulverizada, é hemostática (93). As raízes são bernicidas (242).

 

INDICAÇÕES

As folhas machucadas são usadas sobre as feridas para cicatrização rápida. O látex é indicado para hiposistolia cardíaca e astenia vascular. As raízes são indicadas para combater o panarício (93). Compressas das folhas são indicadas para úlceras e feridas carnosas. O látex cauteriza verrugas (271).

 

TOXICOLOGIA 

O látex é cáustico, causando sérias inflamações oftálmicas. A asclepiadina é um veneno convulsivo dos músculos lisos e do coração. O macerado do caule prova nos animais de sangue quente parada da respiração, convulsões, arritmia cardíaca e parada cardíaca. A ingestão de 1g da planta por kg de peso vivo, é suficiente para causar a morte em animais (242).

 

OUTRAS PROPRIEDADES

  • Os caules fibrosos podem ser utilizados como matéria prima para a fabricação do papel.
  • A penugem que envolve as sementes, de consistência sedosa, pode ser utilizada para o enchimento de almofadas e travesseiros, além de já ter sido utilizada em cordoaria.
  • É melífera e ornamental.
  • É hospedeira do fungo Uromyces Hovei (93).
  • O látex da planta, colocado sobre uma isca (banana), é um eficiente raticida (192).

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: