Ervas Naturais

Aproximando a Natureza

Archive for the ‘Medicina Natural’ Category

como desidratar ervas e plantas

Posted by Erva e Plantas Naturais em 23 de Abril de 2011

especiarias  especiariasespeciarias ayurveda

A erva deve ser lavada em água corrente,

A planta deve ser pendurada ou colocada sobre papel ,

O local deve ser protegido do sol,

A planta estará completamente desidratada quando estiver quebradiça.

Para transformar ervas e plantas em pó, após desidratada a planta pode ser moída em liquidificador ou em pilão, até virar pó.

Caso queira retirar os pedaços maiores, só peineirar.

especiarias

Aprenda a cultivar temperos em pequenos recipientes[link]

Posted in Medicina Natural | Com as etiquetas : , | Leave a Comment »

Funções Orgânicas

Posted by Erva e Plantas Naturais em 3 de Abril de 2011

O organismo é autônomo e sua vida se mantém graças aos processos orgânicos que exerce, as ervas medicinais operam como  reguladoras  desses  processos.

Para efeitos didáticos, cada uma das funções foi classificada de acordo com seus procedimentos e caracterizada por um sistema, ainda que todas operem de modo complementar.

Assim, cada sistema é um conjunto de tecidos, órgãos e glândulas trabalhando harmonicamente no desempenho de uma função específica.

Sistema Respiratório

Através dele é captado o oxigênio necessário à oxidação ( ‘queima’ ou ‘quebra’ ) das moléculas dos nutrientes, processo pelo qual se obtém a energia nelas contida necessária ao organismo.

Os órgãos principais desse sistema são os pulmões. É mais comum encontrar ervas que protegem partes desse sistema do que outras que aumentem sua capacidade respiratória aumetabólica (oxidação).

A atuação das plantas sobre o aparelho respiratório pode ser :

Antigripal – combatendo as gripes.

Expectorante – diluindo as secreções da garganta e do pulmão, facilitando a sua expulsão.

Antiexpectorante – amenizando tosses

Analgésica – reduzindo dores da garganta.

Antiinflamatória – aliviando irritações da garganta.

Sistema Nervoso

Seu órgão central (cérebro) recebe estímulos de todas as partes do corpo por meio do tecido nervoso (neurônios) e, igualmente, através desse tecido envia as respostas processadas. Exerce ainda inúmeras outras funções tais como armazenar memória, relacionar   dados,  controlar  diversos  outros   procedimentos   orgânicos   e   manter   o   equilíbrio   espiritual   do   indivíduo.

Tal comunicação é possível através de transmissores químicos ( neuro-transmissores ) liberados de um neurônio, receptados pelo seguinte e assim transmitidos adiante, carregando consigo as mais diversas mensagens.

O cérebro, analisado isoladamente, processa as mensagens recebidas com maior ou menor eficiência dependendo de fatores como:

- níveis de oxigenação (respiração de suas células)

- quantidade e qualidade dos nutrientes recebidos pelo sangue (alimentação de suas células)

- presença de substâncias inibidoras ou favoráveis à passagem dos neuro-transmissores. Atuando sobre os neurônios, agindo sobre a produção de neuro-transmissores, bem como influenciando os fatores citados acima.

As plantas podem ter as seguintes ações sobre esse sistema :

Calmante – reduzem a excitação cerebral.

Sedativa – calmantes mais drásticos.

Estimulante  -  incrementam   a  atividade   cerebral   e   neurológica.

Alucinógena – causam distúrbios à atividade cerebral.

Aparelho Digestivo

É o conjunto de órgãos, tecidos e glândulas responsáveis pela assimilação dos nutrientes.

Destacam-se o estômago e os intestinos, como partes específicas do tubo digestivo, e o fígado, como a maior glândula do corpo humano.

É importante destacar a atividade do fígado, por suas peculiaridades.

Como sua secreção principal (a bile) é lançada numa cavidade (o estômago), e não na corrente sangüínea, o fígado não pertence ao sistema endócrino (descrito mais adiante), que é o conjunto das glândulas que secretam substâncias no sangue.

Suas atividades não se restringem à diluição de gorduras e álcool durante a digestão, é um grande armazenador de nutrientes (glicogênio), amortecedor químico do impacto de remédios e tóxicos sobre o organismo e centro de reciclagem de substâncias já utilizadas pelo corpo que, contudo, permanecem no sangue (hormônios e secreções).

As ervas podem ter as seguintes atuações sobre esse sistema :

Digestiva -  auxiliando  no  desdobramento  das moléculas dos nutrientes.

Hepática – aliviando os trabalhos do fígado.

Vermífuga  -    eliminando    vermes    do    tubo   digestivo.

Antidiarréica – amenizando os movimentos dos intestinos e aumentando a sua capacidade de absorção de água.

Laxativa – atuando igualmente nos intestinos,  porém  com  efeitos  opostos  às  ervas antidiarréicas.

Purgativa – laxativos mais drásticos.

Depurativa – auxiliam o fígado na sua função de retirar do sangue resíduos hormonais, metabólicos e tóxicos.

Antiácida – combatendo úlcera, gastrite e azia.

Sistema Cardiovarcular

Composto pelos órgãos e tecidos que distribuem alimento, oxigênio, água e hormônios por todo o corpo, bem como coletam os resíduos do metabolismo das células e da atuação dos hormônios para serem eliminados ou reciclados.

Seu órgão principal é o coração, uma espécie de bomba muscular que propulsiona o sangue (veículo do alimento, do oxigênio, dos hormônios) continuamente sempre na mesma direção, com uma intensidade que pode variar em função de atividade física ou estímulos químicos.

Os canais de distribuição chamam-se artérias, quando partem do coração, veias, quando chegam a ele, e capilares, quando as vias principais subdividem-se em finíssimos canais sangüíneos.

As ervas atuantes sobre esse conjunto podem agir como :

Cardiotônicas – estimulando os batimentos cardíacos.

Estimulantes – cardiotônicos mais brandos.

Reguladoras da pressão sangüínea – aumentando a elasticidade das paredes das vias circulatórias e assim reduzindo essa pressão, ou operando no sentido oposto.

Antianêmicos – fornecendo ferro ao sangue.

Aparelho Urinário

Compreende o conjunto de órgãos responsáveis pela filtragem do sangue e pelo equilíbrio da quantidade de  água no organismo.

Seus principais componentes são os rins. As plantas que têm ação sobre esse sistema atuam principalmente sobre a sua capacidade de absorção de água e filtragem do sangue.

Como esse processo chama-se diurese, tais efeitos são chamados :

Diuréticos

Sistema Endócrino

Assim é chamado o conjunto de glândulas do corpo que secretam suas substâncias diretamente na corrente sangüínea ( há glândulas que expelem suas secreções em cavidades, como o fígado, ou externamente ao corpo, como as sudoríferas e as sebáceas. Estas não pertencem a este grupo.

Este sistema é responsável por funções tão diversas quanto crescimento, metabolismo, controle da pressão sangüínea, manutenção da temperatura, controle do estresse e relaxamento. Algumas glândulas atuam preponderantemente sobre um determinado processo ( o pâncreas na digestão); outras exercem influência generalizada sobre o corpo, como a tireóide, que regula o crescimento e a temperatura, as supra-renais, reguladoras da pressão sangüínea, e a hipófise, chamada glândula mestra, por ter efeitos sobre todas as outras.

As ervas medicinais podem constituir-se em intervenções diretas sobre o sistema endócrino, sendo importante, então, relacionar cada glândula às ervas a que é susceptível.

Hipófise, ou pituitária, ou pineal – Localiza-se no interior da cabeça, junto ao cérebro, na altura dos olhos. Controla as outras glândulas, regula o crescimento e a diurese, estimula a produção de leite, induz o parto. Dentre os hormônios que produz destaca-se a melatonina, reguladora do sono.

Tireóide – Situa-se no pescoço, envolvendo a laringe. Regula o metabolismo, a temperatura e o crescimento. Algumas ervas atuam sobre a função reguladora de temperatura, combatendo as febres e por isso são chamados febrífugas. Outras são sudoríficas.

Paratireóide – Localiza-se sobre a tireóide e controla o nível de cálcio no sangue.

Pâncreas – Situa-se junto ao estômago. Produz enzimas digestivas e regula o consumo de açúcar pelo organismo. Ervas digestivas e sobretudo aquelas que controlam a diabetes podem atuar sobre esta glândula.

Supra-renais – Cada uma está situada sobre um rim. Controlam a pressão sangüínea e o nível de sal no organismo. As ervas relacionadas são aquelas que afetam a pressão arterial.

Ovários – Localizam-se na altura dos quadris, e são internos ao abdômen. Concedem  as  características  secundárias  femininas.

Sob estímulos da hipófise secretam dois hormônios cujas oscilações regem a fertilidade da mulher: a progesterona e o estrogênio.

As ervas relacionadas com a função sexual feminina são chamadas:

Emenagogas – quando  induzem  a  menstruação.

Abortivas

Antiespasmódicas – quando reduzem as cólicas.

Galactagogas – quando induzem o aleitamento

Afrodisíacas  -   estimulantes  sexuais.

Anticoncepcionais – impedem a ovulação.

Testículos – Localizados na parte inferior externa do abdômen masculino, produzem a testosterona, hormônio responsável pelas
características sexuais secundárias masculinas. Regulam ainda a produção de esperma. As  ervas que afetam as funções  sexuais
do homem são as seguintes:

Afrodisíacas – estimulam a atividade sexual.

Previnem a impotência – ginseng, canela, pimenta. O chá calmante se consumido em excesso durante algum tempo, pode levar à impotência.

PRINCÍPIOS ATIVOS

Assim como os hormônios e os neuro-transmissores somente funcionam ao encontrar seus exatos receptores, também cada erva possui substâncias que somente produzem efeitos sobre determinadas células. Sua atuação pode ocorrer tanto  estimulando quanto reprimindo processos orgânicos.

Cada planta contém compostos químicos que são os responsáveis por sua atividade terapêutica.

Quando um composto prepondera sobre os demais e confere à planta sua principal função medicinal ele é chamado princípio ativo.

Os  princípios  ativos  podem  ser:  alcalóides, bioflavonóides,  glicosídeos  cardiotônicos, mucilagens, óleos  essenciai s e  taninos.

Os princípios ativos estão presentes, mas sua distribuição pelas partes da planta é desigual e, não raro, encontram-se vegetais com diferentes princípios ativos nas folhas, frutos e raízes. Nem sempre a atuação dessas substâncias opera-se sob a sua forma natural; por vezes, para incrementar a sua ação, partes específicas da erva devem ter um processamento especial: aquecimento, fervura em água ou álcool, fermentação, infusão com outros ingredientes vegetais, maceração com alcoóis, pulverização e mistura a água ou leite, inalação dos óleos ou massagem com os mesmos.

É muito comum ter-se várias ervas relacionadas com uma mesma função orgânica, por isso, em caso de tratamentos ou prevenções, para conseguir uma diversidade de benefícios, alterne o consumo de cada planta.

Deve ser anotado que os princípios ativos podem sofrer alterações em sua concentração ou podem mesmo ser degenerados em virtude de estiagens, períodos chuvosos, calor excessivo, frio intenso, luz ou escuridão.

Posted in Medicina Natural | Leave a Comment »

 
Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.